quarta-feira, 24 de outubro de 2012

Terras de Ninguém


É terra devastada
Hoje inabitada
Nem grileiro, nem posseiro, 
nem passível de invasão
Sem lei e sem dono:
Eis o meu coração